quarta-feira, 25 de novembro de 2015

No Mercado - Viva o Hoje, Esteja no Agora.

Em plena terça-feira, no final da tarde, Sebastian foi ao mercado com sua esposa fazer compras. Precisava comprar alguns produtos de limpeza, frutas, arroz, temperos e outras coisas mais. Sebastian não é um apaixonado em fazer compras, mas confessa que gosta muito de observar as pessoas, suas expressões, seus comentários, o que pegam de mercadorias. Ele fica pensando no que as pessoas estariam pensando, fita no carrinho alheio e tenta imaginar aquela pessoa chegando a sua casa com aqueles itens.

Em alguns carrinhos se percebe tipos de comidas que agradam crianças, mas pode ser que nem sejam para crianças, pode ser que nem sejam para a pessoa que está ali comprando. O tempo dentro do mercado às vezes parece não passar, roda-se, roda-se, roda-se. Olha o preço de algumas coisas, compara-se com outras, lembra-se do que estava esquecendo e se esquece do que lembrava.

Carrinhos vão, carrinhos vêm, cestinhas se cruzam e os olhares assustados para o tamanho das filas do caixa também. E foi justamente enquanto estava na fila que Sebastian teve a oportunidade de contemplar dois momentos inusitados.

No primeiro acontecimento, Sebastian, enquanto sua esposa pegava as últimas coisas, foi para a fila do caixa e quando chegou viu uma fila pequena, pequena demais que até estranhou, mas logo percebeu a placa acima que dizia ser um caixa prioritário. Sebastian então se dirigiu a fila ao lado, na sua frente tinham quatro pessoas. Uma estava sendo atendida no caixa, a segunda e próxima a ser atendida da fila era um senhor de cabelos grisalhos.

Na fila do lado oposto do caixa prioritário havia uma senhorinha também de cabelos grisalhos, aparentava ser de idade mais avançada que o senhor que estava na fila de Sebastian. Foi nesse exato momento que o senhor chamou a senhorinha e solicitou que ela passasse na frente dele para já ser atendida. Foi um gesto nobre, além de chamá-la ele ainda ajudou-a com suas mercadorias.

Uma moça mais jovem que estava na fila da senhorinha um pouco mais atrás dela disparou a elogiar a atitude do senhor, ao ponto de soltar o seguinte comentário: 

- Devia era filmar e mandar para televisão, isso está cada dia mais raro. 

O interessante foi a postura do senhor, que hora alguma quis chamar a atenção ou anunciar o seu feito, Sebastian pode perceber que esse senhor entende o verdadeiro significado de ajudar o próximo sem precisar anunciar e comunicar a todo o mundo.

Alguns minutos depois Sebastian pode reparar um jovem rapaz que vinha com sua cestinha, nela havia poucas mercadorias. Ele estava procurando por uma fila menor e se deparou com aquela mesma fila a qual Sebastian também havia se deparado. O rapaz apressou a passada e entrou na fila que tinha apenas uma mulher a sua frente. Ele reparou que essa mulher estava grávida e olhou para a fila ao lado onde Sebastian encontrava-se, aparentando estar se perguntando: 

- Porque essa fila está vazia?

Foi então que ele olhou para cima e viu a mesma plaquinha de fila prioritária e tomou a mesma atitude que Sebastian, se dirigindo para a fila ao lado. O engraçado foi a expressão que o rapaz fez ao perceber que estava na fila de prioridades,  conforme reparou Sebastian, foi uma mistura de ‘vergonha’ com ‘estou fazendo algo errado’.

Sebastian foi para casa refletindo sobre as duas belas atitudes que vira ali no pequeno mercado e isso fortalece cada vez mais a esperança que podemos evoluir mais e mais, chegarmos a um ponto onde a bondade se torne algo comum entre as pessoas, onde a confusão esteja na hora de dispensar muitas ajudas e não na hora de implorá-las. Ajude sem precisar anunciar, cada gesto simples forma a maravilhosa corrente do bem.